Luta Sindical das Mulheres marca a criação do seu Dia

Você já deve ter ouvido falar que o Dia Internacional da Mulher não surgiu de maneira tão floreada e pacífica como é a comemoração atual. Pois bem, no início de século XX as mulheres da sociedade americana, em especial nova-iorquinas, focaram suas energias para reivindicar melhores condições trabalhistas e igualdade para ambos os sexos. Dentre muitos acontecimentos da época, um fato destacou-se: o incêndio na fábrica têxtil Triangle Shirtwaist Factory.

Trabalhadoras da Fábrica Triangle Factory/Foto: SgallianceCulture

Trabalhadoras da Fábrica Triangle Factory/Foto: SgallianceCulture

Sábado, 25 de Março de 1911, Nova Iorque: aproximadamente 600 operárias e operários trabalhavam naquela tarde na fábrica Triangle, quando um incêndio suspeitoso começou. A empresa já havia sido incendiada outras vezes, e tinha-se a suspeita desta atividade ser intencional apenas para recebimento da verba do seguro. Anteriormente, em 1909, a fábrica enfrentou uma grande greve por parte de seus trabalhadores, sob a liderança da ativista ucraniana Clara Lemlich e das mulheres do Sindicato dos Trabalhadores dos EUA. As manifestações tinham como objetivo a diminuição da carga horária de trabalho, de 12 horas para 10 horas diárias, além da proibição do uso de crianças como empregadas.

Foto: FUNPAR-UFPR

Foto: FUNPAR-UFPR

O fogo na Triangle revelou as péssimas condições de trabalho em que estes operários e operárias se encontravam, muitos deles era imigrantes que mal tinham domínio sob a língua inglesa. Movidos pelo pavor e pânico os operários tentaram a todo custo livra-se do fogo e da fumaça, mas os esforços foram em vão, pois as saídas de incêndios estavam trancadas externamente. Infelizmente 143 vidas foram perdidas naquela tarde, 14 homens e 129 mulheres. As causas das mortes foram sufocamentos, queimaduras e o desespero de muitos que se jogaram do edifício.

Foto: Bolg ProfGiedrer

Foto: Bolg ProfGiedrer

Dias depois milhares de pessoas acompanharam o funeral das vítimas ao longo da Quinta Avenida, em Nova Iorque. Este incêndio caracterizou o mais mortal acidente de trabalho de toda a história nova-iorquina, e desencadeou modificações na legislação de trabalho local, e posteriormente de outros países. Mesmo com grandes indícios de que o incêndio tenha sido criminoso, a fábrica Triangle Shirtwaist Factory foi absolvida pela justiça norte-americana.

Assim as 129 mulheres que perderam suas vidas naquele dia viraram um dos principais símbolos motivadores para a criação do Dia Internacional da Mulher. Com o movimento socialista que já agitava a Europa no começo do século, março se fortaleceu como o mês da luta pela emancipação da mulher, com datas variáveis. Presume-se que acabou se tornando dia 8 porque um dos primeiros, em 1914, caiu num domingo.

Para não deixar que o gesto de dar uma flor para uma mulher no Dia Internacional da Mulher se torne vazio, lembre-se das meninas e mulheres da Triangle e de como eram as condições de trabalho no mundo antes que o movimento sindical as expusesse e protestasse contra essa situação.

Cada vez que você receber uma flor no Dia Internacional da Mulher, aspire seu aroma, lembre-se de quantas mulheres até hoje são vítimas da exploração no trabalho, do assédio moral e dos baixos salários e reflita que, enquanto ainda for preciso um dia da mulher, este continuará a ser um dia de luta.

Com infomações do blog de Cynara Menezes.

Para comentar, acesse: https://www.facebook.com/groups/350868791760802/permalink/411583555689325/ (Nosso grupo restrito no Facebook, onde os comentários só podem ser lidos por filiados à DS/RN)