Deflagrada greve dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil

foto-fernanda-castro

Como decido em Assembleia Nacional realizada na última sexta-feira (14), os Auditores-Fiscais da Receita Federal deflagraram greve geral de 18 a 20 de outubro.

De hoje a quinta-feira, os Auditores-Fiscais da Receita Federal no Rio Grande do Norte, acompanhando o resto do Brasil, entram em greve fora da repartição e sem assinatura de ponto, respeitando o mínimo de 30% do efetivo em serviços, conforme foi votado. A nível nacional, até a tarde de ontem (17), 2.771 Auditores-Federais tinham votado a favor da greve, o número representa 90,76% dos votos computados pelo Sindifisco Nacional.

Nas aduanas, a categoria irá seguir as orientações do Comando Nacional de Mobilização (CNM): Em unidades de Zona Secundária, deverão fazer greve, fora da repartição e sem assinatura de ponto, nas Zonas Primárias, inclusive Portos Secos, devem realizar Operação Padrão nos setores responsáveis pelo despacho aduaneiro, vigilância, parametrização e bagagem acompanhada. A greve também deve ser cumprida nos demais setores e pelos Auditores que exercem cargos e funções de chefia (inclusive no despacho), fora da repartição e sem assinatura de ponto.

A classe dos Auditores-Fiscais está mobilizada em Campanha Salarial desde 2015 e na última semana teve o Substitutivo ao Projeto de Lei Nº 5.864/2016 apresentado pelo relator, o Deputado Wellington Roberto (PR). O PL dispõe sobre a Carreira Tributária e Aduaneira da Receita Federal do Brasil, institui o Programa de Remuneração Variável da Receita Federal do Brasil e dá outras providências, que descumpre o acordo assinado e inviabiliza a Receita Federal.

Em clima de insatisfação Auditores Fiscais retornam ao Gabinete do Delegado

00

Em mais um Dia de Paralisação, os Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, depois de se reunirem na sede da DS/RN, seguiram para o Gabinete do Auditor Fiscal Francisco Aurélio – Delegado da Receita Federal em Natal – para demonstrarem suas insatisfações com a postura de lavar as mãos da administração central diante da mobilização da categoria para aprovar a parte não remuneratória do PL.